05 novembro, 2010

Final alternativo

"Já faz quase cinco anos...Cinco anos que ela se foi. Nossa vida estava tão boa, estávamos tão felizes com a vinda de uma nova irmã. Mas não foi assim. A irmã veio, mas a mãe se foi em um dia só. Acho que nunca me recuperei.
Passei por diversas fases. Briguei muito com todos, foi o jeito que encontrei de expressar minha dor. Todos entenderam, mas parece que com um tempo ninguém mais se importou. Ou pelo menos ninguém mostrou interesse. Ou talvez eu fingisse muito bem que nada estava errado.
E agora faz cinco anos.
A vida está diferente, estou em outra cidade e morando sozinho. Não é fácil. Vou ir pro exército, ver se consigo sair do buraco que estou.
E a mana? Ela é tão linda. Alegria pura. Se não fosse ela já teria me matado há muito tempo.
Mas isso só não me basta. Falta algo. Estou seco por dentro.
Talvez seja apenas um sentimento de adolescente, não sei. Acho que nunca vou conseguir. A vida é sem sentido e ninguém se importa mesmo comigo. Apenas recebo críticas e palavras de como devo viver. Estou farto de toda essa merda.
Não vejo outra solução se não a morte. É hoje que ela vem. É hoje que parto para uma melhor".

------------
*toc toc*
-Oi, tu tá aí? (...) Abre a porta! Faz tempo que não conversamos, tu anda sumido.
-O que tu quer?
-Quero ver se tu tá bem.
-Pode entrar...
-Eu sei que essa data é difícil, queria saber como tu estava...
-Sabe, eu queria me matar nessa noite.
-Que? Não fale uma coisa dessas. Tu nem imagina o quão importante tu é pra toda tua família. Pensa em todos eles, e como eles dariam a vida deles por ti. Promete que tu nunca vai fazer isso?
-Prometo por ti. Por favor, nunca me abandone...



Essa era a história que eu gostaria de conhecer. Infelizmente, o fato realmente aconteceu até a linha pontilhada. Faz 3 meses já e eu ainda penso o que teria acontecido se eu tivesse prestado mais atenção em ti, ter te dado algum apoio que eu deveria como prima. Não tem um dia que eu não pense em ti, pensar que tu estaria com a gente nas próximas férias. Faz 3 meses que tu tomou a pior decisão, que não nos machucará apenas por meses, mas sim pro resto de nossas vidas. A dor de querer voltar no tempo, pegar um ônibus e bater na porta do teu apartamento e te convencer de que a vida é boa, e sempre pode melhorar.
Não sinto culpa. Só tristeza.
Onde quer que tu estejas, saiba que há corações chorando por ti, mesmo tu achando que não tinha ninguém.
Vou te guardar na memória e a cada dia 5 do mês eu lembrarei do pior dia de todos.

Um comentário:

Renata Bittes disse...

Palavras fortes. Gostei. Adicionei sue blog nos meus favoritos. Tb sou aspirante a jornalista =)